Como o mosquito Aedes se prolifera
mosquito.jpg

Dengue: combate começa em casa

Medidas simples tomadas pela população são a melhor forma de evitar casos da doença

O verão está chegando e, com ele, chuvas e calor - condições ideais para a reprodução do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue. Por isso, é importante que a população se mobilize e faça sua parte, eliminando ou cobrindo os locais de concentração de água limpa, que servem como criadouro para o mosquito. "A grande maioria dos focos está nas próprias residências. O morador é um agente importante nesse processo", alerta Fabiano Pimenta, diretor técnico de Gestão da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde.

O Aedes aegypti se prolifera dentro ou nas proximidades de habitações (casas, apartamentos e hotéis), em qualquer lugar que acumule água limpa (caixas d'água, cisternas, latas, pneus, cacos de vidro e vasos de plantas). Os sintomas mais comuns da doença são febre, dores pelo corpo - principalmente nas articulações - e dor de cabeça. Também podem aparecer manchas vermelhas na pele e, em alguns casos, sangramento, mais comum nas gengivas. Ao perceber os sintomas, a pessoa deve procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa.

O Governo Federal repassa recursos por meio do Fundo Nacional de Saúde (FNS) e fornece os insumos (inseticidas) para combate ao mosquito e os kits para diagnóstico da dengue. Os municípios são os responsáveis pelas ações diretas, como as visitas domiciliares e, nos casos de emergência epidemiológica, por fazer a borrifação de inseticida com os fumacês. Mesmo com o trabalho dos municípios, dos estados e do Ministério da Saúde, a população tem que fazer a sua parte.

Dengue_sapo%5B1%5D.JPG
destaque_recorte_dengue.jpg

Pode se tranqüilizar: não há a menor possibilidade de contágio através do contato com pessoas portadoras de dengue. Concentre, então, toda a sua preocupação no Aedes aegypti, esse mosquito fora do comum, esquisitão mesmo. Ele adora ser do contra. Pra começar, para ser diferente de borrachudos e muriçocas, tem o hábito de picar suas vítimas durante o dia. Ele é mesmo coisa rara: existe na proporção de um em cada um milhão de pernilongos soltos por aí.

Mas como tão poucos fazem tamanho estrago? Estima-se que ele pique até 300 pessoas durante seu ciclo de vida. Apesar de incansável, ele gosta mesmo é de sombra e água fresca. Vive onde há calor, mas foge do sol. O Aedes aegypti se prolifera principalmente dentro ou nas proximidades de habitações. Não é ao ar livre que se corre o maior risco de contaminação. É no abrigo do lar, entre quatro paredes, que mora o perigo. Donas-de-casa, cuidado: vocês são as mais afetadas.

Esse "mosquito da dengue" é um problema, não? Não, o problema é a "mosquita". É a fêmea a grande responsável pelo surto. Primeiro, ela se contamina ao picar alguma pessoa doente. No Brasil, ela pode escolher a vítima à vontade. Só em 2001, foram registrados mais de 370 mil casos de dengue no país. Quando entra no ciclo da reprodução, ela se alimenta de sangue para desenvolver seus ovos. É assim que vai contaminando pessoas sadias até depositar seus ovos em recipientes de água limpa e parada.

Para mais informações:
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=24029
http://www.educacional.com.br/reportagens/dengue/espalha.asp